Publicidade

Mundo 11 de abril de 2016

Igreja Luterana condena lei que nega serviços a homossexuais no Mississippi

A Igreja Evangélica Luterana na América (Elca), nos Estados Unidos, considera discriminatória a nova lei aprovada pelo estado norte-americano de Mississippi, que permite indivíduos e instituições recusarem-se a prestar serviços a casais homossexuais, se isso violar crenças religiosas sobre casamento e sexo.

“[A Lei de Liberdade Religiosa] provavelmente [vai] incentivar a discriminação contra gays,lésbicas…”, disse à Agência Brasil o bispo Julian Gordy, da Elca. A medida permite que um restaurante, por exemplo, recuse-se a atender esse público.

A Elca coordena as atividades da Igreja Luterana na parte Sudeste dos Estados Unidos, que inclui o estado de Mississippi. A Igreja Evangélica Luterana na América é a maior igreja luterana na América do Norte: tem mais de 3,7 milhões de integrantes espalhados em 9,3 mil congregações nos 50 estados do país e também na região do Caribe.

“Essa legislação infeliz não foi apoiada nem pela Igreja Evangélica Luterana na América nem por qualquer outro organismo da igreja, que eu esteja ciente”, acrescentou o bispo Julian Gordy.

Segundo o bispo, líderes da Igreja Luterana pediram – sem sucesso – ao governador do Mississippi, Phil Bryant, para vetar a lei. “Pedimos isso porque nossa igreja tem apoiado fortemente a igualdade de direitos para todas as pessoas, independentemente de raça, sexo, religião, origem étnica ou orientação sexual.”

Sanções econômicas

Além da condenação da Igreja Luterana, existe a possibilidades de grupos econômicos anunciarem cortes de investimentos no Mississippi, assim como ocorreu na Carolina do Norte, caso o governador Phil Bryant não revogue a lei.

Há duas semanas, quando o governador da Carolina do Norte, Pat McCrory, assinou uma lei que eliminou proteções contra a discriminação de lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros, a empresa de pagamentos online PayPal anunciou que estava cancelando um investimento de US $ 3,6 milhões em Charlotte, a maior cidade do estado. Várias empresas se pronunciaram contra a nova lei da Carolina do Norte e anunciaram que estão estudando a hipótese de cortar investimentos.

A decisão do governador teve o objetivo de ignorar portaria municipal de Charlotte, que permitia que pessoas transexuais pudessem usar banheiros de acordo com o sexo com que se identificam.

José Romildo – Correspondente da Agência Brasil
Edição: Talita Cavalcante
11/4/16
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on RedditShare on LinkedInEmail this to someoneShare on Tumblr